5 ferramentas de gestão estratégica fundamentais a um planejamento eficaz

gestão estratégica 2 (1)

Um planejamento estratégico com real potencial de sucesso precisa considerar uma série de questões relacionadas tanto às políticas internas da empresa como a fatores externos — que direta ou indiretamente podem beneficiá-la ou prejudicá-la.

Dessa forma, visando garantir uma análise assertiva e o desenvolvimento de um bom plano de ação, uma série de ferramentas de gestão estratégica vêm sendo desenvolvidas nas últimas décadas.

Apresentamos, a seguir, algumas das mais úteis e fundamentais entre essas ferramentas, largamente adotadas e recomendadas por consultores especializados. Confira:

Missão, Visão e Valores — básico fundamental

A definição de missão, visão e valores é um dos aspectos mais elementares em um planejamento estratégico. Entenda:

  • missão: é o porquê de sua empresa — por que foi criada, que produtos ou serviços oferece, qual seu propósito;
  • visão: diz respeito ao futuro da organização, a curto, médio ou longo prazo — aonde pretende-se chegar, o que se almeja alcançar, como a empresa quer se firmar perante o mercado;
  • valores: são os princípios que orientam tomadas de decisão e determinam a postura e o comportamento de todos os funcionários empregados pela empresa.

Embora pareça algo muito básico, não é incomum que a empresa caia na inércia do exercício de sua Missão, negligenciando ou perdendo-se no caminho rumo à concretização de sua Visão. Por isso é tão importante um planejamento bem estruturado, com objetivos bem definidos e um bom plano de ação.

SWOT — uma das mais famosas

SWOT é uma sigla para Strengths, Weaknesses, Opportunities and Threats, que, em tradução livre, significa Forças, Fraquezas, Oportunidades e Ameaças. É uma das mais conhecidas ferramentas de gestão estratégica.

A lógica é bastante simples: valer-se de variáveis internas (forças e fraquezas) e externas (oportunidades e ameaças) para analisar o cenário em que a empresa está inserida e auxiliar no desenvolvimento de um planejamento estratégico.

Para que fique mais claro:

  • forças: aquilo que faz com que uma empresa se destaque em sua área de atuação e sobressaia-se frente à concorrência — pode ser, por exemplo, o próprio produto ou serviço, a experiência oferecida ou a relação com o cliente no pré e pós-venda;
  • fraquezas: ao contrário das forças, as fraquezas representam uma desvantagem em relação aos seus concorrentes — podem ter a ver com a qualidade de seus produtos, com o atendimento (insatisfatório) ao cliente, funcionários pouco qualificados, entre outros motivos;
  • oportunidades: são fatores externos que, embora fujam ao controle da organização, por ela podem ser aproveitados em vantagem própria — como exemplo temos políticas públicas favoráveis, eventos com os quais possa-se firmar parceria para divulgação e linhas de crédito ofertadas por instituições financeiras;
  • ameaças: fatores externos que podem comprometer a atuação e/ou a lucratividade da empresa — aumento de impostos, a entrada de um concorrente poderoso, como uma multinacional, ou a própria pandemia de Covid-19 que vivemos atualmente.

Matriz BCG — uma ferramenta de gestão estratégica para análise de produtos

A Matriz BCG é um método de análise de desempenho dos produtos de uma empresa. O nome faz referência à Boston Consulting Group, uma consultoria empresarial fundada por Bruce Henderson, também criador do método.

Considerando fatores como número de vendas, retorno sobre investimento e potencial de crescimento no mercado, torna-se possível tomar decisões sobre o futuro de cada produto: quais continuarão a ser fabricados e quais serão retirados de catálogo, por exemplo; se um produto necessita algum tipo de ajuste, ou se a produção de determinado item deve crescer ou manter-se como está.

Na prática, a Matriz BCG apoia-se em um plano cartesiano com os seguintes quadrantes:

  • estrela: produtos com alto retorno sobre investimento (mas que exigem muito investimento);
  • interrogação: produtos que tenham potencial, mas ainda não gerem muito lucro — mais comumente os recém-lançados;
  • vaca leiteira: produtos lucrativos que não exijam alto volume de investimentos para que apresentem boa performance — como aqueles já largamente conhecidos pelo público consumidor ou que tenham status agregado;
  • abacaxis: produtos com baixa performance e pouco retorno financeiro — são muitas vezes retirados de catálogo.

5W2H — para o seu plano de ação

A metodologia 5W2H é ideal ao planejamento de um plano de ação. Esta ferramenta de gestão estratégica leva esse nome pelas sete perguntas que reúne — das quais cinco, no inglês, começam com a letra “W”, e outras duas começam com a letra “H”. São elas:

  • what (o que): basicamente, o objetivo a ser alcançado;
  • why (por que): o motivo pelo qual pretende-se alcançar tal objetivo;
  • where (onde): sobre que área ou setor da empresa o plano de ação será executado;
  • when (quando): definição de prazos para início da execução de um plano de ação, para as etapas de seu desenvolvimento e, por fim, para sua conclusão;
  • who (quem): quem serão os responsáveis pela execução do plano — recomenda-se o auxílio de um profissional de consultoria em gestão estratégica;
  • how (como): a explicação detalhada de como cada ação determinada será colocada em prática;
  • how much (quanto): define-se um orçamento para a execução da estratégia.

Cinco Forças de Porter — ferramenta de gestão estratégica aliada ao SWOT

Desenvolvido por Michael Porter e já largamente testado (e aprovado), este método complementa a análise SWOT ao definir e especificar cinco pilares fundamentais a uma boa estratégia de gestão. São eles:

  • ameaça de produtos substitutos: produtos ou serviços com propostas e/ou funções semelhantes que “tomem” uma parcela de sua clientela, consequentemente prejudicando seus ganhos — alguns exemplos são o impacto das plataformas de streaming sobre a TV e as salas de cinema e dos celulares sobre computadores e notebooks;
  • ameaça de entrada de novos concorrentes: convém analisar fatores como o crescimento de mercado do seu segmento de atuação — e consequentes níveis de lucratividade — e da economia como um todo;
  • poder de negociação dos clientes: é o poder que um cliente detém para negociar valores e condições de pagamento — uma empresa atuante em um setor com alta concorrência, por exemplo, terá um cliente com alto poder de negociação, já que ele pode facilmente obter o mesmo produto ou serviço em outra empresa que lhe ofereça uma proposta mais atrativa.
  • poder de negociação dos fornecedores: a mesma lógica, mas em relação ao poder de negociação dos próprios fornecedores — que, da mesma forma, é inversamente proporcional ao número de fornecedores que disponibilizem o mesmo material.
  • rivalidade entre os concorrentes: alta concorrência significa alta rivalidade e, muito frequentemente, agressividade — mercados ascendentes, diretamente associados à revolução digital, por exemplo, têm se tornado cada vez mais competitivos, com alta rivalidade.

Gostou de conhecer essas cinco ferramentas de gestão estratégica? Talvez você se interesse também pelos seguintes artigos:

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no google
Google+
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no pinterest
Pinterest

Este post tem um comentário

Deixe uma resposta